Hong Kong é uma cidade bem misturada na China. Isso porque é uma verdadeira mistura de culturas, seja nas ruas, nos restaurantes ou em sua população. A cidade já foi comandada pelo Império do Japão e pelo Império Britânico. Em 1997, os ingleses devolveram Hong Kong à China depois de um acordo entre os dois países. Dizem que é onde Ocidente e Oriente se encontram. E dá para ver claramente isso mesmo. De um lado a modernidade dos arranha-céus e lojas de grife, e de outro as vilas de pescadores ou o tradicional comércio chinês.2015-11-19 17.58.35Assim como Macau, Hong Kong é uma Região Administrativa Especial da China e nós brasileiros NÃO precisamos de visto para permanecer até 90 dias lá. Basta o passaporte com validade de, no mínimo, 6 meses.

O que percebemos nos 5 dias que passamos por lá é que Hong Kong é muito internacional. Vimos gente do mundo inteiro turistando por lá, sem contar os milhares de estrangeiros que trabalham na cidade que é uma grande potência econômica mundial.

Outra coisa que nos chamou muito a atenção é a qualidade do transporte público, que em poucos minutos conecta aeroporto, centro da cidade e pontos turísticos. Tudo muito bem pensado, apesar do caos e lotação em horários de pico. Normal. O fato é que nem parecia que estávamos na China ainda hehehehe.

E ainda teve mais um encontro de família, com o primo Nicolas e sua simpática esposa Angela. Muito bom rever tanta gente da família e que está longe há muito tempo. É sempre muito divertido e especial.

MOEDA

A cidade tem a sua própria moeda, o Hong Kong Dólar (HKD), a oitava moeda mais negociada no mundo.

COTAÇÃO EM NOVEMBRO/2015: 1€ = HKD 8,32 = R$ 4,05

IDIOMA

Atualmente o governo indica como línguas oficiais o MANDARIM, o CANTONÊS e o INGLÊS. Isso após a indignação de boa parte da população que não considera o Cantonês apenas como um dialeto, pois é falada por milhões de chineses da região do Cantão, Hong Kong e Macau. Cantonês é um dialeto do chinês Yue. Para ter uma ideia em relação às diferenças com o Mandarim, o Cantonês possui 6 tons e usa romanização Yale (que não tem qualquer relação com pinyin). O inglês também é falado por muitas pessoas, inclusive fazendo parte de todas as placas de informação em ruas ou estações de trem/metrô. E salva bem, mas em certos momentos o “mimiquês” é inevitável hehehehe.

CHEGANDO EM HONG KONG

Pegamos um voo direto da companhia aérea Hong Kong Express em Tóquio (NARITA) para Hong Kong que durou 5h20min. Até aí tudo bem, mas só não combinaram com a gente que teríamos umas 2 (duas) horas ininterruptas de turbulências :((( Faz parte, né? Ainda bem que eu estava de fralda hehehehe.Achei a Hong Kong Express excelente, com aviões novos, site muito bom, com sistema antecipado de reserva de assentos e de escolha das refeições, além ótimo atendimento no aeroporto. Enviaram e-mail com bastante antecedência para informar a mudança de horário do voo, antecipando-o em alguns minutos.

Para a completar a nossa chegada, demos de cara com uma exposição sobre o Bruce Lee no saguão do aeroporto. Show!2015-11-04 06.46.12Passamos pela imigração e tudo certo! Vale lembrar que é NECESSÁRIO preencher o formulário de imigração antes de pegar a fila. Então, caneta e todos os dados sobre o hotel em mãos, ok?

O problema é que chegamos perto de 1h da madrugada e a essa hora não funcionam ônibus ou trens para o centro da cidade. Pegamos um táxi, mas antes disso pedimos para a moça do balcão de informações escrever em chinês o nome e endereço do nosso hotel. Isso é fundamental, pois praticamente nenhum taxista fala inglês. O táxi foi mais barato do que organizar um transfer com o hotel, que cobrava os olhos da cara. Mais especificamente o dobro do que pagamos de táxi, que já foi uma bela grana. Há dois tipos de táxi: o VERDE e o VERMELHO. Dependendo de onde você ficar hospedado, terá que pegar um deles. Mas não se preocupe. Há uma pessoa na fila que pergunta para onde você vai e diz qual táxi deve pegar. Se não tiver o endereço em chinês, eles mesmos escrevem e entregam ao motorista. Taxista que fale inglês é raríssimo. Então, prepare seu papelzinho ou salve o endereço do hotel em chinês antes de chegar em Hong Kong.

2015-11-19 17.45.42

Táxi saindo do aeroporto e nosso hotel (Best Western Harbour View)

Só sei dizer que o taxista foi mais rápido do que o avião que pegamos pra chegar. O senhorzinho era “pé fundo”. Apertamos os cintos de segurança e lá fomos nós na montanha-russa chamada “táxi”. :)))

Ah, para quem quiser também há o UBER como opção. Mas como chegamos bem tarde e estávamos muito cansados, não quisemos esperar e pegamos o táxi. Mesmo sabendo que pagaríamos um pouco mais.

Na hora de pagar, o taxista imprime um papelzinho e inclui o valor da corrida + pedágio. Certamente fomos um pouco enrolados dessa vez. Mas tem horas que o cansaço vence qualquer conta :)))

AEROPORTO DE HONG KONG – HOTEL BEST WESTERN HARBOUR VIEW: HKD 332/R$ 160,00 (45 minutos).

A melhor opção para esse trajeto, sem dúvida, é pegar o Airport Express Train. Do aeroporto a CENTRAL STATION em apenas 24 minutos. Mas ele funciona de 6h às 23h30. Fora desse horário, só de táxi mesmo. Mas para ir embora usamos esse trem e é bacaníssimo.

Clique aqui para saber tudo sobre o Airport Express Train.

ONDE FICAMOS

Encontramos uma boa tarifa no BEST WESTERN HOTEL HARBOUR VIEW e foi o que nos salvou, porque tudo estava bem caro. Esse hotel não fica tão no centro, mas o bom é que fica bem ao lado de uma das estações de metrô, a Sai Ying Pun. Isso facilitou demais o nosso deslocamento.

Vista do nosso quarto

Vista do nosso quarto

O hotel é legalzinho, mas o quarto é SUPER pequeno, minúsculo pra ser sincero. Assim como o banheiro. Sério, muito apertado mesmo. Quase não conseguíamos abrir nossas malas para pegar as roupas kkkkkkk. Foi o melhor custo-benefício pra gente e demos a sorte de existirem vários bons restaurantes bem pertinho. Mas numa próxima escolheria outra opção, se a verba permitir :)))

Clique aqui para saber tudo sobre o metrô de Hong Kong. É o site oficial da MTR, empresa que gerencia o transporte na cidade.2015-11-17 11.46.202015-11-17 15.07.59

LOCOMODICA: os preços dos bilhetes de metrô são calculados pela distância percorrida. É possível comprar bilhetes separadamente de uma estação até a estação desejada e pagar o valor na maquininha touch. 2015-11-15 14.31.212015-11-15 14.31.15

Cartão/bilhete AVULSO para quem não tem o Octopus Card

Cartão/bilhete AVULSO para quem não tem o Octopus Card

Mas o ideal é comprar o OCTOPUS, um cartão pré-pago e recarregável e que você pode utilizar para passar pelas catracas sem fazer contas. Só é preciso ter o valor suficiente para pegar o metrô. O OCTOPUS na verdade é um cartão multifuncional, pois é aceito também em lojas de conveniência, mercados, e até mesmo no caixa do Mc Donalds.OctopusCardÉ um cartão que serve pra tudo em Hong Kong. Serve até para pagar o corte de cabelo, como o que vimos no salão que fomos. Se você vai passar alguns dias em Hong Kong, sem dúvida o OCTOPUS é a melhor opção. Um detalhe importante é que a RECARGA MÍNIMA do Octopus é de HKD 50/R$ 26,00. Menos que isso não é possível inserir.

Saiba mais sobre o OCTOPUS CARD.

O QUE FIZEMOS EM HONG KONG

A cidade oferece boas atrações e conseguimos ir em algumas, mas a melhor de todas para mim foi o Grande Buda, no alto da Ilha de Lantau, e que o percurso até lá é feito por um teleférico com 6Km de extensão. Muito bacana! Veja aqui abaixo um resuminho de tudo.

GRANDE BUDA (TIAN TAN BUDDHA)

Um passeio imperdível é ver de perto esse Buda gigante, com 26 metros de altura no alto de uma montanha da Ilha de Lantau. É o maior do mundo e levou 12 anos para ficar pronta. Bem ao lado há também o lindo Monastério Po Lin. Para chegar lá, pegamos o metrô MTR até TUNG CHUNG, a última estação da linha Laranja (Tung Chung Line). De lá a entrada do teleférico (NGONG PING 360) fica a poucos metros.2015-11-19 18.01.48A dica é evitar as filas gigantes para o teleférico comprando com antecedência pela internet. É possível comprar com horário marcado. Ainda assim há uma fila antes de entrar de fato no “CABLE CAR”. A vista do teleférico é incrível e o percurso todo dura 25 minutos. Isso mesmo, 25 de teleférico até o alto da Ilha de Lantau. É o mais extenso teleférico da Ásia. Há a cabine STANDARD e a CRYSTAL, em que o piso é de acrílico. Achei que a diferença de preço não compensa tanto assim não. A Standard já cumpre bem o passeio :))) PREÇO IDA+VOLTA: HKD 165/ R$ 83,00.2015-11-19 18.03.572015-11-19 18.06.072015-11-19 18.07.54LOCOMODICA: para chegar ao GRANDE BUDA, é preciso subir uma escadaria com cerca de 200 degraus. 2015-11-18 11.22.20A entrada é gratuita, mas há uma bilheteria que vende um pacote com direito a entrada no pequeno museu que fica embaixo da estátua e também a um almoço no restaurante local deles. Já adianto que não compensa porque falei com algumas pessoas que optaram por esse pacote e se arrependeram bastante. As vendedoras podem confundir você com isso logo na entrada da escada. Mas é só passar direto porque não precisa pagar nada, ok?2015-11-18 11.25.09

Clique aqui para acessar o site oficial do NGONG PING 360, saber mais ou comprar seu bilhete. 2015-11-19 18.10.01

HONG KONG DISNEYLAND

Aproveitamos que a Disney Hong Kong fica no caminho da estação de metrô MTR para o Grande Buda e decidimos passar lá e ver tudo de perto. Fomos depois da visita ao Grande Buda. A dica é aproveitar a proximidade e fazer isso: pela manhã Grande Buda e à tarde Disney. Para chegar ao parque, basta descer na estação Sunny Bay e de lá pegar o monorail da Disney. Tudo bem tranquilo e organizado.2015-11-19 17.57.00

Clique aqui e acesse o site da Disney Hong Kong.

KOWLOON PARK

No centro da cidade, esse belo parque oferece vários espaços interessantes, como um lago com diversos flamingos. E sem querer ainda vimos uma grande exposição aberta de personagens de desenhos animados. Uma voltinha por esse parque é bem legal.2015-11-19 17.51.31BAÍA DE HONG KONG (VICTORIA HARBOUR) E AVENIDA DAS ESTRELAS

Da bela baía é possível os vários prédios modernos da cidade, do outro lado das águas do Mar da China Meridional. Todos os dias, às 20h, acontece o show sincronizado de luzes em vários prédios. Uma das inovadoras criações da cidade para atrair os turistas. O espetáculo acontece com música de fundo e chama-se SYMPHONY OF LIGHTS. É gratuito e vale a pena chegar um pouco antes para pegar um lugarzinho bom, porque fica bem cheio de turistas.2015-11-19 17.49.30Já a Avenida da Estrelas estava fechada para reforma (NOVEMBRO/2015). Deslocaram as estátuas do Bruce Lee e demais famosos para o Jardim das Estrelas, que fica meio escondido do outro lado da rua. Achamos por acaso um dia depois, pois não tava fácil encontrar não. Muito mal sinalizado. Mas ainda é possível tirar fotos ao lado dos destaques da arte e cultura honconguesa nesse Jardim das Estrelas.2015-11-19 17.48.22TIMES SQUARE

Sim, Hong Kong também tem a sua rua das grandes marcas. E passeando pela cidade, é inevitável não passar por ela. São shopping e muitas lojas de grife. Se você gosta de compras, essa é a sua área :)))

TEMPLE STREET NIGHT MARKET

Uma rua cheia de barraquinhas com todas as bugingangas possíveis. Uma rápida passagem por lá apenas para conhecer mesmo.2015-11-18 19.59.20Ainda faltou subirmos ao “THE PEAK” para ter uma visão da cidade toda iluminada à noite, subir ao Observatório SKY100, além de pegarmos um ferry para conhecer MACAU. :((( Quem sabe numa próxima, né?

Um dia bem legal foi quando encontramos parte da família que morava lá em Hong Kong. Os primos Nico e Angela nos receberam super bem e nos levaram para jantar em um restaurante super tradicional, daqueles que só quem é local sabe :))) É o HAO DE LAI XIAO LONG BAO DIAN (ou HAO DE LAI para os íntimos hehehe). Fica pertinho da estação de metrô JORDAN. 

Foi tudo muito bom e ainda terminamos a noite em uma lanchonete especializada em sobremesa. Há várias na cidade e isso é uma tradição lá: acabar a noite com uma sobremesa. Nada mal, né? :)))2015-11-19 17.53.58E para quem precisa do visto da CHINA CONTINENTAL para visitar Pequim depois de Hong Kong, por exemplo, a dica é solicitar na empresa FOREVER BRIGHT TRADING. A gente pagou pelo nosso visto lá nesse escritório deles, que fica no centro da cidade. É uma salinha bem bacana em um edifício comercial e funciona tudo certinho.

Como a gente ia passar menos de 15 dias na China, conseguimos um visto de Grupo para isso, mais barato do que o visto de turista comum. Isso significa que eu e Luísa precisaríamos entrar e sair juntos do país. Tranquilo, né? Mas há outros modelos de visto e tudo fica pronto muito rápido. Para ter ideia, se chegar no escritório entre 9h e 10h da manhã, já pode pegar o visto às 18h. Esse nosso visto, eu digo. Para cada tipo de visto, há prazos determinados e documentos a serem apresentados.2015-11-17 18.02.48O nosso visto para a China custou HKD 500 cada, cerca de R$ 255,00. Eles não carimbam o passaporte. Apenas entregam uma folha com o visto (original) e mais 2 cópias para levar. Na imigração de entrada em Pequim ficaram com uma cópia nossa. E ao sair do país, eles ficam com o visto original também. Enfim, fizemos com essa empresa, assim como vários turistas. E correu tudo bem, no prazo e tudo de acordo com o que falaram. Então, a gente indica. :))) Só para esclarecer ainda mais, pedimos o visto da China em Hong Kong porque ficava mais próximo da data da nossa entrada em Pequim. Esse é o PLANO B, pois se for sair do Brasil direto para a China, é mais aconselhável solicitar o visto ainda no Brasil, é claro.

Após apenas 5 dias em Hong Kong, pegamos o metrô direto até o aeroporto (preço: HKD 100/ R$ 51,00 com o Octopus Card) e só esperamos a hora do embarque para Osaka, no Japão. Mais uma vez voamos de Hong Kong Express e foi tudo beleza e em 3h10min estávamos de volta em terras japonesas. Agora partimos para conhecer Osaka, Kyoto, Nara, Himeji e Hiroshima.2015-11-19 17.59.43Contaremos tudo no próximo post então sobre a nossa 2ª Parte do Japão (+ 10 dias).

Beijos e abraços!