Este trecho escrito pelo poeta, filósofo e escritor Fernando Pessoa também não sai da nossa cabeça desde que saímos de Lisboa (no dia 23/6). É tanta coisa para conhecer, que certamente temos que voltar outras vezes para complementar a visita. Mas em 6 noites vimos bastante coisa e vivemos várias boas e surpreendentes histórias.

A gente saíu de Óbidos, que fica a apenas 30 minutos de Lisboa, de carro. E ficamos 2 dias ainda com o carro na cidade considerada uma das mais fixes da Europa (gíria portuguesa: fixe = legal/bacana – pronuncia-se fiche).

Fixe e bem difícil de estacionar em um bairro tão tradicional como o que ficamos: Príncipe Real. Isso porque nas ruazinhas estreitas internas só pode estacionar quem é morador. A gente que é de fora tem que procurar alguma vaga nas ladeiras por perto. E, claro, pagar por isso (no esquema de parquímetro).

O chato dessa máquina é que aceita no máximo 4,80 euros, e somente moedas. E esse valor equivale a algumas horas. Aí depois você tem que voltar lá e colocar mais moedas na máquina para pegar um novo tíquete que vale por mais tempo. Nesse bairro, o estacionamento é pago de segunda a sexta, das 9h da manhã a 1h da manhã do dia seguinte. Ou seja, um horário bem longo cobrado. E vira e mexe passa um fiscal conferindo se os carros estão com o tíquete no painel do carro.

Mas eram só 2 dias nesse perrengue, sendo que um dos dias passaríamos fora o tempo todo. E já sabíamos disso. Então foi uma escolha gastar essa grana em estacionamento. Mas você pode evitar isso, caso deseje. Seja se hospedando em hotéis que incluem estacionamento, seja ficando em apartamentos fora da zona histórica, ou sem carro. Vai do seu gosto, claro!

Eu e Luísa adoramos conhecer as cidades que passamos caminhando bastante. Em Lisboa, fizemos uma média de 9Km por dia. É a melhor maneira de conhecer vários cantinhos da cidade, sempre. E andamos muito mesmo, subindo e descendo as ladeiras lisboetas que são bem íngremes, por sinal. :)))))))

O que fizemos:

  • O primeiro dia foi para descansar. Ficamos no apartamento e só saímos para fazer compras no mercado Mini Preço, da Praça das Flores. Aproveitamos esse dia também para lavar roupas e à noite fizemos um Spaghetti à Bolonhesa, acompanhado de um vinho que compramos lá na Quinta do Crasto em Douro. Teve bããããão!

Arquivo 25-06-15 22 46 01

  • Já no dia seguinte, como ainda estávamos de carro, fomos a Cascais e Sintra, cidades próximas de Lisboa. Foi um dia para reencontrar parte da família: a Patrícia, a Maitê e o Rodrigo, que moram em Cascais, uma cidadezinha de praia bem acolhedora e belíssima.

20150624_234122000_iOS

  • Depois de comermos um Bitoque (o nosso Bife à Cavalo em Portugal, 6 euros) pegamos o carro rumo ao Cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa Continental – dica do Rodrigo.
  • Em seguida fomos conhecer a charmosa Sintra. Ainda bem que a gente tava de carro, porque a subida para o Castelo da Pena é sinixxxxxxxtra! Esse castelo é bem exótico e possui diversos estilos em sua construção. É uma das 7 maravilhas de Portugal e um dos monumentos mais visitados do País. Entrada: 14 euros por pessoa. 

Arquivo 25-06-15 22 42 33

  • Foi em Sintra que a Luísa reconheceu e tirou foto com o Padre Fábio de Mello que estava em uma famosa doceria da cidade (Piriquita). Aliás, os doces de lá são espetaculares. Momento tiete! :))))))

20150625_000046000_iOS

Nos dias seguintes, já sem carro, mas com muita perna, metrô, trem, elevador e ônibus, rodamos a cidade toda.

  • Recarregamos o estoque de risadas em um dia inteiro de praia em Cascais junto com a Pat, o Rodrigo, a Maitê e a Rose (amiga da família). E só temos a agradecer por esse dia incrível e muito especial. Brigadão, gente!

20150625_000717000_iOS

  • Fomos ao Castelo de São Jorge, subindo as ladeiras com o famoso “Eléctrico 28”. Foi nesse bondinho, inclusive, que fizemos amizade com um casal colombiano muito gente boa (William e Alexa). Foi bom para bater um papo em portunhol e aprender algumas palavras novas com eles :))))))))
  • Descemos na estação Oriente, visitamos o lindo Oceanário de Lisboa (14 euros por pessoa) e pegamos a Telecabine (teleférico, 3,5 euros) ao lado para um rápido passeio pela orla.

2015-06-25 00.12.25

  • Passeamos pela Praça do Comércio, Cais do Sodré, Alfama, Baixa e Chiado.

20150625_001746000_iOS

  • Conhecemos o Mosteiro dos Jerônimos, o Padrão do Descobrimento e a Torre de Belém. Ah, e não tem pastelzinho de natas melhor do que o original da fábrica de Pasteis de Belém, ao lado do Mosteiro e que existe desde 1837. É 10 vezes mais gostoso que qualquer outro que comemos em Portugal. Tem sempre uma fila gigante, mas não se preocupe, ela anda rapidinho e vale a pena demais! Peraí que deu água na boca agora…hummmm!

20150625_002310000_iOS

  • Fomos no Bar/Restaurante Pavilhão Chinês (indicação do amigo Savio Zambrotti), comemos na Hamburgueria do Bairro (bom mas nem tanto) e jantamos um dia no restaurante espetacular “As Salgadeiras“, que o nosso amigo Romualdo Lopes indicou. Esse lugar merece aplausos bem longos e de pé. Que bacalhau! Pedimos a Trilogia do Bacalhau e foi o melhor prato de bacalhau que já comi até hoje. Esse prato custa 40 euros e serve muitíssimo bem 2 pessoas. Pra mim, serve até 3 pessoas fácil!
  • E tivemos a grata surpresa de conhecer a pequenina Nannarella Gelatti alla Roma. Uma delícia de sorvete naquele calorão que tava em Lisboa.
  • Andamos pelas Docas da cidade em um domingo de sol, onde há vários restaurantes bacanas. E até passamos por uma feirinha irada às margens do Tejo. Nas Docas, almoçamos no restaurante italiano Pasta-Caffé que tava com um precinho bem camarada (a conta deu 16 euros para o casal).

Passes de metrô, ônibus e trem:

  • Há várias opções, mas indicamos 2 passes: o Lisboa Card, que dá direito a viagens ilimitadas em metrô, ônibus, trem para Cascais e Sintra, bondinhos, elevadores, além da gratuidade em algumas atrações como o Mosteiro dos Jerônimos, Torre de Belém e Palácio da Vila. Ele também concede descontos em várias outras atrações turísticas. O passe que vale 72 horas custa 39 euros. É possível comprar o Lisboa Card no Posto de Informação Turística do aeroporto.
  • Mas o bilhete que usamos porque foi melhor para o nosso caso é o Viva Viagem. optamos pela versão de 24 horas para o transporte (não inclui trechos de trem para Cascais e Sintra). Esse bilhete custa 6 euros.
  • É porque ficamos alguns dias de carro, mas acho que o Lisboa Card é uma excelente escolha para os turistas que visitam a cidade.

Onde ficamos:

  • Mais uma vez nos hospedamos em um apartamento via Airbnb. Ficamos no bairro Príncipe Real, na Rua dos Prazeres. Um apê grandão com máquina de lavar, TV a Cabo e cozinha. Tranquilaço! Mas fica a 10 minutos caminhando da estação de metrô mais próxima, a RATO (linha amarela).
  • Como disse mais acima, foi só um pouco chato o estacionamento para o nosso carro. Mas tá valendo.
  • Acredito que há outros apartamentos mais bem localizados, mas esse bairro é super tranquilo, bem familiar. Gostamos por isso. Se quiser saber mais, é só clicar aqui.

2015-06-25 00.29.03

E agora já estamos pra lá de Marrakesh! Em poucos dias soltaremos o post sobre o Marrocos e suas cidades impressionantes. Até já!