Alugamos um carro na Sixt e saímos de Porto para dar uma passadinha bem rápida em Braga e Guimarães antes de chegar ao Vale do Douro.

Braga, a Roma Portuguesa, é uma cidade ao norte do país e tem mais de 2.000 anos de história, mas ao mesmo tempo considerada a Capital Europeia da Juventude. É a terceira maior cidade de Portugal (apesar de acharmos bem pequenininha). O nosso passeio incluíu a Catedral de Santa Maria de Braga (Sé de Braga), um dos mais importantes templos do estilo românico-português.

Sé de Braga

Sé de Braga

Caminhamos pelas ruas de Braga, passamos pelo Jardim de Santa Bárbara e pelo Arco da Porta Nova, a porta de entrada da cidade.

20150613_193704000_iOSDepois do almoço rapidinho e baratinho, pegamos o carro e fomos ao Santuário Bom Jesus do Monte, que fica a 5 km de Braga na freguesia de Tenões. O lugar é belíssimo, mas para quem não quiser encarar a escadaria com cerca de 583 degraus, pode ir de carro e estacionar na parte de cima gratuitamente. É lá que também está o lago e o hotel do Bom Jesus.

20150613_194556000_iOS20150612_150209000_iOS De lá partimos para Guimarães, que era caminho para chegarmos ao Vale do Douro. Nem íamos parar nessa cidade, porque já estava no fim do dia. Mas depois de uma espiada pela janela do carro, decidimos estacionar e descer apenas para procurar um banheiro. E tivemos muuuuuuuita sorte de parar em frente à padaria e pastelaria          Manjar dos Doces. 20150613_194957000_iOSFoi lá que comemos o melhor cheesecake da história, um de cereja que estava simplesmente fantástico. E ainda pedimos mais um pedaço para comer depois, é claro. Ê gordice da boa! Demos uma voltinha pela praça central de Guimarães e partimos para o Vale do Douro.

Após 2 horas de viagem e por estradas que eram um tapete e muito bem sinalizadas, finalmente chegamos ao Hotel Folgosa Douro. Um hotel bem tranquilo, às margens do rio Douro e que achamos excelente pelo preço. Um 3 estrelas com café da manhã, restaurante no próprio hotel e tudo muito bacaninha. Simples e show de bola pra gente. Ah, e fica bem em frente ao restaurante DOC, do Chef Rui Paula, um dos mais renomados de Portugal e que também está presente no Brasil, em Recife-PE.

É no Vale do Douro que estão as famosas Quintas. Uma das regiões de Portugal onde se produzem vinhos e azeites exportados para o mundo.

Indicamos 3 excelentes Quintas para visitar:

20150613_200111000_iOSQuinta do Crasto, que tem uma vista incrível, mas também uma estradinha que dá frio na barriga, porque trata-se de um penhasco sem proteções em diversos trechos. E o nosso GPS adora nos levar pelo caminho mais esquisito, sempre (rsrsrs). Tem que ter muito cuidado, até porque só dá para passar um carro em certas curvas. Muita atenção, hein! Ah, e lembre-se de fazer reservas para as provas ou almoços antes de ir. Eles não fazem na hora de jeito nenhum. A notícia frustrante é que soubemos que o azeite deles não é produzido lá. Eles colhem as azeitonas e tudo, mas mandam processar em outra empresa :((((((

Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo. Essa sim foi um achado daqueles. Descobrimos essa Quinta sem querer, quando saímos da Quinta do Crasto. Estávamos famintos e vimos uma placa de restaurante dentro dessa Quinta Nova. 20150613_200623000_iOS

Resolvemos entrar e perguntar. Para a nossa alegria, o chef do restaurante Conceitus nos recebeu super bem e nos deixou almoçar ali, mesmo sem reserva. Foi “O Almoço”! Tratamento impecável, pratos elaboradíssimos e um ambiente com uma vista especial. Não foi barato, mas valeu cada centavo esse almoço. A conta deu 90 euros, com direito ao menu de 3 momentos do chef (cortesia enviada pelo chef, entrada, prato principal e sobremesa), vinho, suco e chá. Foi o momento da extravagância que vale a pena. A melhor refeição que tivemos até agora e que deve demorar a ser batida rsrsrs. A Quinta Nova tem um hotel para quiser passar alguns dias conhecendo os processos de produção do vinho e descansando num belíssimo lugar. Nota 10!

Quinta da Pacheca. Fomos lá conhecer porque era muito bem falada. Realmente tudo lindão mesmo. Mas já não tinha horários para visita+prova de vinhos nos dias que estaríamos lá. Então só conhecemos de fato a lojinha. Mas pelo que vimos deve vale a pena ficar hospedado lá. Chique no úrtimo!

Antes de irmos embora, demos uma voltinha pelo município de Peso da Régua. Tava um dia chuvoso e frio. Então arrumamos as malas e viemos para Coimbra, onde estamos agora escrevendo esse post. Serão apenas 2 noites aqui, com direito a muitas ladeiras para subir e muito fado para ouvir, opá!

Até já, ora pois.