Depois de 4 noites em Marrakesh, pegamos o excelente trem da ONCF para Casablanca. Já tínhamos visto que não veríamos nada de diferente lá, que era uma cidade grande, voltada ao lado econômico e industrial do país. A nossa ideia foi fazer uma parada antes de irmos para Fés, até porque seriam menos horas de viagem pra gente. E por que não caminhar e conhecer um pouco essa cidade também, né?

2015-06-27 16.12.34Foram 3h20 de trem entre Marrakesh e a estação Casa Voyageurs. Tudo muito pontual. Se quiser saber os horários e destinos dos trens no Marrocos clique aqui no link da ONCF. Lembrando que não é possível ainda comprar bilhetes pela internet, a menos que você tenha um cartão de crédito emitido no Marrocos. É bem provável que em alguns meses a empresa ONCF melhore isso e libere a compra online para turistas.

Casa Port

Casa Port

Em Casablanca há 2 estações: a Casa Voyageurs e a Casa Port. A Casa Voyageurs é mais antiga. Já a Casa Port é novinha em folha e bem bacana. Tem vários restaurantes e lanchonetes como Starbucks e Mc Donalds. Fica localizada na região portuária e ao lado de grandes hotéis, como Novotel, Sofitel e Ibis City Center. Mas quando compramos nosso bilhete, não havia nenhum trem saindo de Marrakesh que fosse para esta estação.

Então optamos pela Casa Voyageurs mesmo e dormimos no Ibis Casa Voyageurs, que fica a apenas 50 metros da estação. Como era apenas 1 noite, tava bem tranquilo.

Chegamos no fim da tarde à maior cidade do Marrocos e uma das mais populosas da África. A Luísa tava bem cansada e decidiu ficar no hotel para tirar um cochilo. Eu saí para andar pela cidade e acabou que rodei uns 10km. Cheguei morto no hotel. rsrsrsrs

2015-07-06 12.14.06Fui até a Mesquita Hassan II, a maior atração de Casablanca. Essa mesquita foi erguida para homenagear inicialmente Mohammed V, pai de Hassan II. Mas antes da sua inauguração (1993) acabou recebendo o nome do então Rei Soberano de Marrocos. Aliás, Hassan II governou o Marrocos de 1961 a 1999, ano de seu falecimento.

2015-06-27 18.34.12A Mesquita Hassan II é belíssima e impressiona pela grandiosidade. É a terceira maior do mundo, atrás apenas da Mesquita de Meca e da Grande Mesquita de Jerusalém. Ela fica sobre as águas do Atlântico (local devido à passagem do Alcorão que diz: “O trono de Deus está sobre as águas“. Seu minarete tem 200 metros de altura, o que a confere como a mais alta edificação do País. Demorou aproximadamente 8 anos para ser erguida e contou com 2500 trabalhadores, além de 10 mil artesãos marroquinos. Atualmente tem capacidade para receber 100 mil fiéis, sendo 25 mil no pátio interno da mesquita. Um detalhe importante a saber é que cada família marroquina foi “convidada” a doar um dinheirinho para essa construção. Um patrocínio daqueles bem voluntários ao país. :))))))

À noite, do alto no minarete, há um laser que pode ser visto a quilômetros de distância e que está apontado para Meca. Mas quando falei isso a 3 moradores da cidade eles me disseram que esse laser é para servir de “farol” para quem está em alto mar. Vai saber…

Além de tudo isso, é a única mesquita que permite a visita de não muçulmanos (exceto às sextas-feiras – dia de orações). A ideia dessa liberação foi a de divulgar um pouco mais a fé islâmica aos turistas. A entrada custa 120 dirhams por pessoa e já inclui o guia. Na verdade, a entrada só pode ser feita com a companhia dos Guias da Mesquita e em horários definidos. Vale lembrar que alguns cuidados são necessários, como não falar alto durante visita (é um templo religioso, lembra?), estar com calçados fechados, roupas que cubram as pernas e braços, entre outros.

Fora a Hassan II, ainda deu tempo de voltar ao hotel, tomar um banho e irmos jantar no Rick’s Café.

2015-07-06 12.16.56Casablanca ficou mundialmente conhecida depois do filme 100% gravado em Hollywood, com os atores Humphrey Bogart e Ingrid Bergman. Pensando nisso a empresária americana Kathy Kruger teve a ideia de construir de verdade o que era cenário na versão dos cinemas. Ou seja, tem muita gente que pensa que está jantando onde foi filmado Casablanca, quando na verdade está em um restaurante que foi criado muitos anos após o filme. hehehe

Mas tirando isso, a empresária fez um belo trabalho, preservando a identidade marroquina na construção e retratando os detalhes do filme de forma bem fiel. Além, é claro, de incluir a apresentação do pianista ao centro do Café. Ah, a comida tava excelente e foi bem em conta! Saudades do sorvete delicioso que tomamos lá…

No dia seguinte só deu tempo mesmo de tomar café da manhã no próprio Ibis e pegar o trem rumo a Fés.

Simbóra!